Enxurrada

 

Era então uma mendiga e impressionava muito! Algo em seu porte desafiava o raciocínio, levando a imaginação a delirar procurando respostas.

De cabelos muito claros, louros, olhos azuis, magra, mas sem aparentar desnutrição, apesar da mendicância. Usava saia azul e blusa vermelha, ambas muito desbotadas, que expunham incrível sensação de limpeza. O nariz bem desenhado tinha um certo ar de altivez, como se algo neste mundo lhe pertencesse por direito. Talvez apenas a vida, e nem mesmo disso ela tomara posse, mais preocupada em demarcar seu território em uma esquina movimentada.

Parecia esperar que algo acontecesse, demonstrando preocupação enquanto olhava a sarjeta. O que seria? Era de fato intrigante e parei, a prestar atenção nesta figura que, aos olhos incautos, nada revelava.

De repente, uma fina enxurrada começou a escorrer aos seus pés, vinda de algum quintal ou piscina, ou mesmo de algum prédio próximo que passava pela faxina diária. Ela então se apressou a tirar roupas da sacola que jazia encostada ao poste, e sem a menor cerimônia agachou e começou a lavá-las, aproveitando a oportunidade que as circunstâncias lhe deram.

Imaginem, em uma esquina movimentada da cidade de São Paulo, como se fosse dela!

Por algum motivo a água deixou de escorrer, mas já a roupa estava ensaboada. Então ela se pôs a ler uma folha de jornal que trazia dobrada entre seus pertences. O papel já estava amarelado e as bordas carcomidas pelo tempo. Colocou-se como estátua a vigiar sua roupa, dedicando-se à leitura, interessadíssima na notícia já tantas vezes lida. Não se importava com a edição muito atrasada, nem com os textos escritos nela. O mundo e a vida, para ela, têm um sabor atemporal e incerto, mas busca certezas em coisas tão básicas que até arrepia. Terá encontrado?

Magicamente a enxurrada começa a escorrer do outro lado da rua. Toma então os trapos com cuidado e atravessa, procurando um local onde a água empoçasse um pouco para facilitar o trabalho.

Fiquei realmente tocada com esta figura que faz questão de estar limpa e, em condições sub-humanas consegue ser criativa, mesmo que de forma pouco higiênica, que paradoxo!

O que terá acontecido com esta que se acotovela entre tantos e tantos desvalidos pela sorte, de onde terá vindo e por quê? Quem serão seus pais e filhos? Teria ela amado e sido amada? Seria a sobra de algo que morreu? Se tivesse tido uma chance, antes de perder as referências, tudo seria diferente!

Cessa a enxurrada e o trabalho chegou ao fim. Improvisar um varal é fácil para ela, que não reconhece mais a propriedade e nem se dá conta de que invade os limites de alguém. Adentra o jardim do pequeno hotel da esquina e expõe a roupa ao sol, contente, mostrando ao mundo que a vida continua de qualquer forma, com ou sem abrigo, apesar dos perigos, aquém do abandono, além do suportável, num canto imprevisível deste mundão sem fim.

 

 

(verão de 2002)                                                                                                                                             Voltar

 

Hosting by WebRing.